quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Ligando os pontos

Um dia, apareceu na fazenda um cavalo. O dono da fazenda ficou muito feliz e adotou o cavalo. Mas um dia, o cavalo fugiu. O fazendeiro ficou triste e sua esposa o confortou dizendo que ele não devia ficar chateado, pois ele não sabia o que ia acontecer no futuro. E ela estava certa, depois de um tempo o cavalo voltou e trouxe junto uma égua. A alegria do fazendeiro foi imensa, mas durou pouco a égua ficou estranha e todos achavam que ela ia morrer. Sua esposa novamente disse para ele não ficar bravo, pois ainda não sabia o que ia acontecer, pois bem, na verdade a égua não estava doente e sim, grávida. Alegria reestabelecida, pois agora seu filho poderia montar no filhote da égua e acompanhá-lo no trabalho. Alguns poucos anos se passaram e um dia o filho do fazendeiro caiu do cavalinho e se machucou feio e teve que ser internado em estado grave. O Fazendeiro queixando-se da vida disse: "Se esse cavalo nunca tivesse aparecido, depois sumido e voltado com uma égua, ela nunca teria tido um filhote e meu filho nunca teria caido e não estaria nesse hospital hoje". Sua sábia esposa voltou com aquela história de que não se pode se queixar, pois nunca se sabe o que vai acontecer. Após os exames feitos no hospital, foi identificado que o menino, filho do fazendeiro iria se recuperar da queda, porém ele tinha uma doença grave que por sorte foi diagnosticada no início e poderia ser curada. Bom, resumindo, as vezes a gente se precipita, julgando algo que não foi bom como "o fim do mundo", mas não sabe o que isso vai desencadear.
Eu ouvi essa história há muito tempo, do meu primeiro treinador de badminton, e até hoje tudo o que acontece na minha vida eu uso esse pensamento. Lembrei de escrever isso no blog pois um dos vídeos que mais me impressionaram recentemente no youtube foi o da palestra do Steve Jobs na formatura de Stanford em 2005. Nesse vídeo, de uma maneira bem mais refinada, o Steve Jobs fala exatamente essa história do fazendeiro e o cavalo, no vídeo ele cita sobre "ligar os pontos" que só se pode ligar os pontos olhando o passado. Falando que hoje ele olha para trás e vê que tudo o que aconteceu em sua vida foi o que de melhor poderia ter acontecido.

Como disse, eu sempre tomo muito cuidado antes de pensar que algo que aconteceu foi ruim, pois eu ainda não sei o que vai acontecer. Alguns exemplos como separação dos meus pais, as coisas que aconteceram depois me moldaram como pessoa e fortaleceram alguns dos meus principios hoje inabaláveis. Empregos que eu não consegui, e que se eu tivesse conseguido hoje eu não estaria na posição que eu estou. Outros exemplos como término de namoro, decepções com amigos, viagens que eu deixei de fazer, etc, etc, etc, também penso do mesmo jeito. Se hoje eu sou uma pessoa feliz e realizada é por que muita coisa boa e ruim aconteceram e me trouxeram até aqui.

4 comentários:

July Banet's disse...

é Dudu...
Mais uma vez um post espetacular... (tenho que rasgar elogios após o seu comentários sobre o meu comentário no do Profeta Gentileza...)rs...
Não, mas falando sério... Este é mais um post que, de uma forma peculiar (e muito verdadeira) traduz um pouco sobre minha vida... Ou melhor, um pouco sobre a forma como eu encaro a vida...
Antes do meu escrito atual no perfil eu dizia mais ou menos isso:
Que eu não posso dizer quem eu sou... Pois o "eu sou" é uma conjugação no presente... E eu não sei me definir no presente porque estou em constante transformação. Muito menos posso dizer quem eu vou ser... A única certeza que eu tenho é "quem fui", pois posso olhar para trás e ver todas as experiências que passei, boas ou más, todas as pessoas que conheci, enfim, tudo o que me aconteceu e que me "moldou" na pessoa que eu fui ontem. Pois novas experiências e novas pessoas nos acontecem a todo o momento e, portanto, estamos nos "moldando" continuamente, sem parar. Eu dizia que somos feitos de pequenos "cacos", pedacinhos de marcas das experiências, pessoas, fatos, atos, informações que adquirimos e absorvemos todos os dias e que todos os dias esses cacos vão se amoldando, virando, revirando, aumentando ou diminuindo, construindo quem nós somos...
E é exatamente por isso que não podemos agir da maneira pessimista como o Fazendeiro. Temos de esperar, ver o que esse fato que, de cara parece ser tão ruim, vai realmente trazer e, então, ser adicionado em nossa "escultura mutante" que somos nós...
Mais uma vez uma belíssima lição...
Beijos Dudu!

Tyriel disse...

E ai carlinhos,

Havia comentado a respeito do seu blog... há algum tempo e neste domingo mencionou mais uma vez, bom desta vez resolvi checar e creio que agora é minha vez de criar o meu e começar com essa idéia que acho espetacular, seu endereço é singular, mas bastante interessante!! vamos lá, não tenho seu portugues, caramba, as vezes ter aprendido inglês faturou um pouco do meu portugues... mas vou começar a me preucupar mais com essas questões e começar a estudar a gramática arght...

em fim bela postagem e acredito em cada sílaba citada no seu texto, comigo isso acontece muito, e a partir de hoje começarei a revelar os acontecimentos... e principalmente revelar minha angustia pela solidão intelectual que vivo!! haha beleza.. preciso disso! abraços!

Aninha disse...

Fazia mto tempo que não entrava aqui... e hj me lembrei e vi esse texto tão bonito, e verdadeiro... E isso serve mesmo pra gente ter como uma lição de vida!
É como aquele diz diz: "Deus escreve certo por linhas tortas".

Tenho certeza que vc ainda vai ter mto sucesso na sua vida!!!
Bjos
Aninha

Pra eu tentar me entender.... disse...

Nossa Bad....simplesmente adorei o post.....e era exatamente o q eu precisava ouvir....na hr certa....adorei msm....brigada por me ajudar, msm não sabendo ou tando longe.....saudades de vc...bjinhus